O fotógrafo

Reportagem publicada em 2006 no jornal da Chesf - Companhia Hidroelétrica do São Francisco


Quando a arte invade a vida, a vida invade a arte. Foi assim com o engenheiro eletricista Paulo Ivo. Ainda menino nas ruas da bucólica cidade de Triunfo, no sertão pernambucano, a fotografia partilhava da intimidade da família. Câmeras, flash, lentes, diafragmas, filmes...tudo povoava o universo da casa, da vida social e do imaginário daquelas crianças atentas a tudo.

O pai era funcionário público e fotógrafo profissional. A mãe, ao ficar viúva em 1957, aprendeu o ofício para garantir o sustento dos seis filhos. “Fomos criados nesse meio. Ainda tenho a primeira máquina da família, encomendada aos frades franciscanos e vinda da Alemanha, que funciona até hoje”, conta.

Foi inevitável. Paulo Ivo abraçou a fotografia profissionalmente. No começo era mais por diletantismo. Um hobby que resgatava o cheiro da infância e o calor dos pais. Com o tempo, a fama das fotos do cotidiano, familiares, amigos, viagens foi se espalhando e vieram os convites para atuação em eventos sociais e documentários.

Em 1995, participou do concurso de fotografia para divulgação do turismo na cidade do Recife-PE promovido pelo Jornal do Commercio. Seu trabalho ficou em primeiro lugar, pelo enquadramento perfeito e a excelência técnica.

Dentre os momentos marcantes nessa trajetória estão o registro do nascimento dos filhos, o aniversário de uma criança autista, e o contato com o povo peruano.

“É emocionante reencontrar nas ruas as pessoas que fotografou na infância. Aliás, os inúmeros clientes que viraram amigos são o maior legado dessa arte transmitida por gerações. A imagem tem esse poder: comunica, aproxima as pessoas e dá prazer aos outros”.

O talento desse artista pode ser comprovado no endereço www.pauloivo.com.br, seja nas cores vivas dos tipos humanos latinos, no glamour dos vestidos de noiva, nos vôos das gaivotas e condores. Mais do que um portfolio digital, o site, desenvolvido pelo próprio, é um mergulho na intimidade de uma família sertaneja que ama a fotografia. Poesias, homenagens, recordações, fotos antigas, cada coisa tem um canto especial na posteridade.

Carole Galindo
DRT-818/SE